Entrevista a Jorge Cunha

Tagged: , , ,

Dê-se a conhecer um pouco, onde nasceu, onde vive, que idade tem, é casado?

O meu nome é Jorge Cunha, tenho 34 anos e pratico a modalidade há cerca de 20. Vivo o culturismo no dia-a-dia, embora não seja a minha profissão, porque no nosso país infelizmente não há incentivos à prática deste desporto nem organizações que permitam o crescimento da modalidade a nível profissional, toda a minha vida é pautada e orientada essencialmente para a obtenção de resultados positivos na minha evolução, não só a nível desportivo, mas profissional, pessoal e cultural.

Actualmente, o que faz em termos profissionais?

Integro uma equipa operacional na empresa CTT, estou directamente ligado á área do “tratamento” de correio, trabalho por turnos, o que por vezes me dificulta um pouco os treinos e condiciona parcialmente o meu rendimento físico, mas nada que não se contorne e se resolva. Também dou aulas de musculação num ginásio na Amadora, é um part-time mas faço-o com muito gosto, não só pela satisfação que me proporciona poder ensinar aos alunos o que aprendi ao longo dos anos, mas também porque gosto de trabalhar e estar em contacto com as pessoas.

Qual foi o evento ou pessoa que o incentivou a iniciar-se neste desporto?

Comecei a praticar musculação com 14 anos de idade, no mesmo ginásio em que dou actualmente aulas (engraçado não é? Outrora aluno, agora professor eh, eh!) nada me influenciou à prática da modalidade, comecei em casa a fazer flexões de braços e elevações naqueles parques infantis que tinham baloiços e tal, pois é eu não andava de baloiço, procurava as barras dos baloiços para fazer ginástica e com o passar dos anos fui sentindo necessidade de evoluir para algo mais completo e convenci os meus pais a inscreverem-me num ginásio ali perto de casa.

Pratica mais algum desporto?

Já pratiquei natação durante dois anos, deixei porque infelizmente não consigo ter tempo para tudo.

Os meus ídolos são os meus pais, não tenho mais nenhum, mas como referência tenho alguns nomes sonantes deste desporto, o grande Arnold e o nosso Coleman. Não me identifico com nenhum deles nem com ninguém porque cada um é como cada qual, algumas características são transversais a todos os culturistas e nessas todos nos identificamos sem dúvida.

Teve o apoio dos seus familiares e amigos?

Todo.

E quando começou a levar o desporto mais a sério?

Os meus pais ficaram algo receosos, não só devido à minha idade na altura, mas também devido a tudo o que envolve o meio, lesões, ect…

E quando começou a competir, algo mudou?

Comecei a competir passados 18 anos desde que comecei a treinar, e a esta altura já só eu tenho voto na matéria, eh eh… Mas reagiram bem de modo geral, ainda me perguntaram se andava doente (risos) mas quando lhes expliquei o processo compreenderam.

Já participou em alguma competição internacional?

Já participei no Campeonato Europeu WABBA em 2009, foi uma experiência fascinante, foi o primeiro ano que competi e consegui os primeiros lugares nacionais o que me permitiu ir ao Europeu, o contacto com atletas de outras nacionalidades permitiu-me trocar ideias, novos conhecimentos e conceitos utilizados noutros países, foi muito gratificante. Participei em quatro competições, o Regional IFBB 2009, Nacional IFBB 2009, Nacional WABBA 2009 e o Europeu WABBA 2009, nas nacionais consegui sempre os primeiros lugares e no Europeu o sexto lugar.

Pensa participar em alguma competição em breve?

Ainda é cedo para pensar nisso, mas talvez em 2011 me atreva de novo… eh eh!

O que considera que se valoriza mais no culturismo nacional?

Hoje em dia valoriza-se o conjunto, um corpo bem estruturado, simétrico, com massa muscular e com uma boa profundidade muscular é um bom candidato a primeiro lugar…

Alguma vez se sentiu prejudicado em alguma competição?

Ainda fui avaliado poucas vezes, visto apenas ter participado em quatro competições, mas de um modo geral julgo não ter sido prejudicado.

O que considere que se pode fazer para melhorar esta modalidade?

O culturismo nacional está cada vez mais “apagado”, precisamos de um incentivo rápido, se assim não for cada vez menos atletas irão competir e sem atletas não há provas. Faltam patrocínios, quer do estado, quer particulares, é absolutamente necessário que se invista nos atletas porque sem eles não há federações, não há concursos e não há nada. É com bastante tristeza que assisto à constante degradação do nosso tão querido desporto.

Que objectivos tem para o futuro, tanto no plano competitivo como no plano pessoal e profissional?

O futuro a Deus pertence, mas, como já referi, a evolução deverá ser uma constante na minha vida a todos os níveis, nada pode parar nem estagnar, a vida é uma roda-viva, temos que a viver como queremos e como podemos.

Na sua opinião, que qualidades deve ter um bom competidor?

Discernimento! Sem dúvida, esta é uma característica essencial, humildade, simpatia e uma enorme capacidade de sofrimento, um corpinho porreiro também ajuda (risos)…

Pode-nos dar uma dieta do tipo de dieta que segue aquando de uma competição?

Uma dieta rica em proteína.

Pode-nos dar uma dieta do tipo de dieta que segue em off-season?

Uma dieta rica em proteína e todas as outras porcarias a que tenho direito.

Quais são as “cheat meal” que mais gosta?

Sou muito guloso, adoro pão com queijo, presunto, chouriço, doces, não digo mais senão tenho que ir já trincar qualquer coisa eh eh…

E quais os alimentos que não gosta?

Peixe, não vou á bola com as espinhas!

Toma algum suplemento? Qual/Quais?

Alguns, de acordo com a época, mas essencialmente multivitaminicos, minerais, proteínas.

Que tipo de treino segue habitualmente?

Treino quatro vezes por semana de modo a dar o descanso necessário a todos os grupos musculares. Gosto de treinar todos os grupos musculares, todos são especiais e em todos encontro exercícios que adoro fazer, mas adoro mesmo fazer perna e em especial o agachamento. Para além disso, no “off-season” utilizo mais pesos livres do que na época de competição em que utilizo essencialmente as máquinas.

Modifica o treino aquando de uma competição?

Sim, aumento o número de séries e repetições. Também tento enquadrar os exercícios de acordo com as necessidades que tenho na altura.

Que parte da preparação para uma competição considera mais difícil?

A dieta! Não é para todos! É mesmo só para ama o que faz.

Que outros passatempos tem para além da musculação?

A musculação não é um passatempo, é a minha vida. Mas de vez em quando vou ao cinema…

Considera que o culturismo mudou em algo desde que o começou a praticar?

Sem dúvida, quando comecei havia incentivos à prática da modalidade, os atletas tinham o culturismo no coração, hoje treina-se três meses para ir à praia em Agosto e o palco da maioria dos “culturistas” é o areal da Torre, onde andam os Marcelos e Felizardos dos nossos dias?! São dois bons exemplos do que mudou ao longo de todos estes anos.

Quer deixar algum conselho aos principiantes neste desporto?

Sim! Não se fazem culturistas, o culturista já nasce culturista, e para aqueles que assim nasceram acreditem que são capazes como eu sempre acreditei e não se esqueçam nunca que a nossa mente é quem comanda tudo, para estes eu darei sempre o meu apoio incondicional como outros mo deram a mim.

Bom, parece que chegamos ao fim, deseja dizer algo mais ou agradecer a alguém em especial?

Agradeço ao Musculação-pt por me ter facultado esta forma de transmitir as minhas convicções e ideias que boas ou más são as minhas, a todos o meu muito obrigado por terem lido e espero que vos tenho sido útil e vos tenha motivado de alguma forma. OBRIGADO.

Abaixo poderão visualizar uma galeria de imagens e um vídeo do atleta.



AUTORIA: MUSCULACAO-PT.NET

Deixe uma Resposta